La asamblea general de la Liga Portugal aprueba cuentas con resultados operacionales positivos

(In LPFP) 
A Assembleia Geral da Liga Portugal aprovou hoje, sem votos contra, o Relatório de Atividades e Contas da época 2018-19, que apresenta resultados operacionais positivos de 2,024 milhões de euros. Relembre-se que desde a época desportiva de 2015-16, e pelo quarto ano consecutivo, sob a presidência de Pedro Proença, que a Liga Portugal apresenta resultados positivos.
Estes resultados, pela natureza dos estatutos da Liga Portugal, cifram-se em 1,207 milhões de euros no que se refere a associativos e 817 mil euros de comerciais.
A Liga Portugal atingiu, assim, os seus objetivos económicos obtendo um resultado operacional superior ao previsto em Plano de Atividades e Orçamento, votado no início da última época, cujo valor total se perspetivava em 1,981 milhões de euros. Realce ainda para o facto do total dos rendimentos terem sido superiores em 1,5 milhões de euros em relação ao previsto.
Como nota relevante saliente-se a regularização, na totalidade, da divida à Banca, bem como 98% do valor em divida ao Estado e 91% a fornecedores diversos. No final de 2019-20, a Liga Portugal terá também liquidadas as dividas à FPF e ao Estado.
Os resultados da atividade comercial, líquidos da dedução estatutária para o Fundo de Infraestruturas de apoio à LigaPro, cifraram-se em 561 mil euros.
Terminou de forma bastante positiva o primeiro mandato de Pedro Proença, o qual contou com a participação de 23 clubes, ao longo destes quatro anos (2015-2019) sobretudo porque foi cumprido de forma rigorosa, implementado o Business Plan e saneadas as contas e o passivo herdado.
Destaque também para o facto dos rendimentos terem vindo sempre a aumentar nestes quatro anos de mandato, com valores acima dos 14 milhões de euros em 2015-16 e 2016-17, dos 15 milhões em 2017-18 e acima dos 18 milhões de euros na última época.
Estes são números que permitem à Direção da Liga Portugal perspetivar o futuro, sobretudo no que diz respeito ao novo ciclo, 2019-23, com muita confiança.
Foi igualmente decidido, nesta Assembleia Geral, que, tendo presente a existência de diversos passivos contingentes, fiscais e judiciais, em que a Liga Portugal é demandada desde 2003, o saldo positivo da exploração comercial seria destinado à criação de um Fundo de Contingência, salvaguardando com prudência o futuro da Liga.
Esta proposta apesar de não merecer a unanimidade das sociedades desportivas, até porque existia uma proposta da Marítimo M. SAD, foi aprovada por maioria, com 36 votos a favor, 5 contra e 9 abstenções.
A assembleia decorreu com extrema urbanidade e discussão assertiva, mas sempre de elogio ao trabalho desenvolvido pela Liga Portugal.

Confira aqui o Resumo do Relatório de Atividades e Contas da época 2018-19.